Linhas programáticas

A Comissão de Trabalhadores da Universidade de Aveiro (UA) é um órgão democraticamente eleito, investido e dirigido pelo coletivo dos trabalhadores desta instituição.

A lista candidata que agora se apresenta às eleições para constituição da Comissão de Trabalhadores da UA pretende ser a voz de todos os trabalhadores junto dos Órgãos de Governo da Universidade. Procurámos, portanto, que a mesma fosse constituída por docentes, investigadores e não docentes, com categorias profissionais diversas e que trabalhassem em diferentes Serviços e Unidades Orgânicas. Julgamos que só assim podemos ser capazes de envolver todas as pessoas que diariamente fazem a UA, contribuindo para o sucesso sustentado da nossa universidade.

Pretendemos ser firmes na defesa dos justos interesses dos trabalhadores, assim como colaborativos com todos os órgãos institucionais, tendo como objetivo uma UA de excelência, através da gestão e valorização dos seus Recursos Humanos, com particular atenção aos mecanismos de humanização das relações laborais.

Propomo-nos promover um diálogo construtivo com os Órgãos de Governo e Gestão da UA, assim como com todas as restantes organizações e associações representativas da Comunidade Académica, de forma a participar diretamente na defesa dos interesses profissionais e dos direitos dos trabalhadores, nomeadamente no que respeita a:
● Revisão dos Estatutos e da Lei Orgânica da UA;
● Aplicação dos Regulamentos internos da UA;
● Reorganização de serviços;
● Redução da atividade da Universidade ou encerramento desta a qualquer título;
● Regulamentação que possa alterar a estabilidade de emprego dos trabalhadores da Universidade e a consolidação da relação jurídica de emprego.

Propomo-nos também:
● Contribuir para reforçar a cultura e a ação humanista da UA;
● Contribuir para melhorar a comunicação interna na UA;
● Pugnar pelo reconhecimento efetivo do mérito dos trabalhadores da UA;
● Pugnar pela valorização das carreiras dos trabalhadores da UA (docentes, não docentes e investigadores);
● Contribuir, através de grupos de trabalho, para a melhoria do modelo de Avaliação de Desempenho dos Docentes da UA;
● Pugnar por mais e melhores condições sociais a favor dos trabalhadores da UA;
● Ter uma voz ativa na defesa das autonomias pedagógica e científica dos docentes, sem prejuízo das necessárias funções de coordenação;
● Cooperar e manter relações de proximidade com Comissões de Trabalhadores de outras instituições de ensino superior.

A realização de um programa de ação ultrapassa a sua apresentação. Por mais detalhadas que sejam as propostas, haverá sempre contingências que poderão impedir a sua concretização ou até mesmo aconselhar a sua alteração. O futuro que representam os próximos quatro anos não é previsível pelo que não há um programa completo para o futuro, sendo assim assumidas as limitações que este programa necessariamente terá quando confrontado com a dura realidade.

Nesta eleição para a Comissão de Trabalhadores não estamos apenas a pedir a participação de todos com um voto. Pedimos mais… pedimos a todos um compromisso de envolvimento com um projeto, com os destinos de uma comunidade e de uma instituição onde passamos uma grande parte do nosso tempo e que tanta influência tem em cada aspeto das nossas vidas. Acreditamos que só esse compromisso nos permitirá trabalhar “Por uma UA mais Unida e Humanista!”

Lema: Por uma UA mais unida e humanista!